A revista Maxim tem por tradição anual desde 2000 consagrar inúmeras mulheres como poderosas e sexy, de modelos a cantoras pop. Elas são separadas nas seguintes categorias: “as bombshells”, “as divas”, “as sereias das telonas“, “as mais divertidas” e “as jogadoras poderosas”.  Indo muito além de apenas rostos bonitos, a inspiração vem de mulheres que são multi-hifenatas, empresárias e se arriscam. E agora mais do que nunca, é preciso celebrar mulheres inteligentes e poderosas que estão quebrando barreiras. Elle Fanning ficou em oitavo lugar entre “as sereias das telonas” que conta com nomes como Gal Gadot, Scarlett Johansson, Megan Fox, Reese Witherspoon e mais. Confira abaixo:

“Com seu cabelo loiro platinado e olhos azuis piscina, a jovem de 20 anos parece que foi borrifada com pó mágico de fada para a Princesa Aurora, a personagem que ela irá reprisar em Malévola 2.”

Você pode conferir a lista completa aqui.

Elle Fanning será quem você encontrará na nova edição da revista italiana Vanity Fair, fotografada pelas lentes do incrível Douglas Kirkland. Durante o photoshoot, Fanning usou vestidos confeccionados pela marca mundialmente conhecida Valentino, e suas jóias foram da Tiffany & Co.  Confira todo o photoshoot em nossa galeria:

EFBR_28129~11.jpgEFBR_28229~14.jpgEFBR_28329~9.jpgEFBR_28629~4.jpg
EFBR_28429~8.jpgEFBR_28429~8.jpgEFBR_28429~8.jpgEFBR_28429~8.jpg

Na tarde de hoje, 29, foi divulgado através da conta oficial da Disney no Twitter e no Instagram oficial de Elle Fanning que as gravações de Malévola 2 no Estúdio Pinewood foram iniciadas. Com Elle e Angelina Jolie retornando aos seus respectivos papéis, o novo elenco conta com nomes como Michelle Pfeiffer, Chiwetel Ejiofor e Ed Skrein. A sequência será dirigida por Joachim Rønning (Piratas do Caribe: A Vingança de Salazar). Confira abaixo as fotos divulgadas por Elle em sua conta no Instagram:

@ellefanning: “Melhor Photobomb¹ #Malévola2”

@ellefanning: “É dia de trazer a mãe para o trabalho no set de #Malévola2!!!!! ✌🏼”

  
 

*¹ De maneira simples, o photobomb acontece quando, em uma fotografia, um elemento estranho, que não era pra aparecer, ganha destaque, tornando a imagem engraçada.

Nessa última sexta-feira, 04, foi divulgada a entrevista e o ensaio fotográfico que Elle concedeu ao Net-A-Porter. Na entrevista, a atriz comenta sobre seus antigos e novos projetos, sua estreia nas passarelas, Woody Allen e mais. Confira as fotos do novo editorial para o mês de maio clicando nas miniaturas e a entrevista abaixo:

Uma coisa é imediatamente clara — Elle Fanning, 19, atriz mais conhecida por interpretar uma princesa da Disney, cujas performances são muitas vezes descritas como sonhadoras e etéreas, é ainda mais animada pessoalmente do que em seus filmes. “Eu sei que sou uma pessoa bem auto astral,” ela admite. Você pensaria que eu seria escalada (para filmes) assim porque essa é minha personalidade. Mas eu acho que, com papéis que eu escolho, é mais divertido interpretar pessoas que não se parecem com você.

Nós estamos sentados na Aroma Coffee and Tea em Studio City, uma ensolarada cafeteria adjacente a Hollywood, onde os roteiros de filmes estão à vista, e Fanning está vestida em uma calça listrada e um crop top que ela comprou ontem com sandálias de correntes da Chanel, uma bolsa da Miu Miu, um iPhone quartzo rosa e uma bandana com estampa Liberty. Ela está à 10 minutos de casa, duas semanas após seu aniversário de 20 anos, e tudo que você espera que ela seja: brilhante, presente e instantaneamente agradável.

Faz um ano desde que a vimos pela última vez no drama feminista da época da Guerra Civil de Sofia Coppola, The Beguiled. Desde então, ela ainda fez teste para tirar a carteira de motorista (sua mãe vai busca-la após a entrevista), e ela ainda trata seu temperamento auto-diagnosticado com boxe (“Meu gancho de esquerda é muito bom”). Ela nunca teve uma conta no facebook – uma bênção rara à luz dos recentes problemas de privacidade – mas é um pouco longe em sua incursão no Instagram, qual ela se segurou para se juntar publicamente até os 18 anos. “As vezes escrever as legendas me estressam porque você é julgada nos comentários, ela confessa sobre postar para 2 milhões de seguidores. Em outras notícias, parece que o mundo está fazendo progressos em diferenciar ela de sua irmã mais velha e sua colega de trabalho, Dakota, 24. “Eu não fui confundida com ela faz um tempo, o que é bem legal, porque definitivamente costumava acontecer o tempo todo” ela diz, rindo.

Neste verão, Fanning reprisará seu papel como a Bela Adormecida da Disney em live-action, na continuação do grande sucesso, Malévola de 2014. Caso contrário, o que ela tem feito? “É honestamente muita coisa relacionada a moda,” ela admite. É um território familiar para Fanning, que tinha 13 anos quando atendeu ao seu primeiro Met Gala (como convidada de Valentino) e sentou-se na primeira fila em seu primeiro show (Chanel Couture). Ela é conhecida por ter relacionamentos duradouros com designers tipo Kate e Laura Mulleavy, da Rodarte, e por conseguir parecer pronta pra editorial mesmo em seus momentos mais despojados. A “coisas relacionadas a moda” incluiu a sua estréia nas passarelas, abrindo e encerrando para a Miu Miu durante o Paris FW18. “Depois, eu me senti muito eufórica,” lembra a atriz. “Eu estou tão grata que eles me pediram pra fazer isso! Mas eu estava muito, muito nervosa. Eu fico nervosa para as coisas, antes de uma grande cena ou algo do tipo. Eu gosto do sentimento antes da cena quando você se assusta tanto que é como: “Eu estou tão assustada agora, mas eu vivo pelo desafio.”

Esse desafio pode assumir muitas formas. Em seu último filme, How To Talk to Girls at Parties, de escrito-ator-diretor, John Cameron Mitchell (de Hedwig – Rock, Amor e Traição), Fanning protagoniza ao lado de Nicole Kidman como uma alien rebelde de uma colônia espacial restrita, que conhece um descontente suburbano e faz uma tour romântica pela cena punk londrina do final dos anos 70. Naturalmente, exigia Fanning, que tinha limitado exposição à subcultura para performar um número punk ao vivo em frente a um clube lotado. “Todos os figurantes eram punks de verdade, eles eram amigos do John. Eu estava apavorada,” Ela ri. “John só queria me tirar da minha concha. Ele ficava tipo, ‘Ok, cuspa neles!’ E eu, ‘Ai, meu Deus!’ Mas eventualmente nós estávamos literalmente cuspindo um no outro. E quando eu pulei em sua amiga, Donna, ele falava ‘Pule em Donna e a beije! Beije quantas pessoas você puder na multidão!’ E eu ficava tipo ‘Ok! Qualquer coisa pelo John! Quando você realmente se solta assim? Eu disse, apenas vou em frente… As pessoas talvez pensem que eu não tenha esse lado. É um lado selvagem mas um lado saudável,” ela diz. ” Com atores mirins, as pessoas as vezes pensam, ‘Oh, lado selvagem do mal!’ Não, não é. É apenas ser um adolescente.

Cineastas sabem corteja-lá precisamente por essa capacidade de experimentação. “Eu acho que as pessoas sabem que eu sou bem aventurosa,” ela diz. “Quer dizer, às vezes você procura as coisas. Mas O Demônio de Neon [O terror psicológico de Nicolas Winding Refn sobre uma aspirante a modelo] e How to Talk to Girls at Parties, foram enviados para mim. Se eu receber um email da minha empresaria, e tiver escrito, ‘eu não sei, esse é um pouco estranho e louco’, eu leio imediatamente.” E ainda assim, qualquer que seja o assunto, Fanning sempre encontra um jeito de ser uma presença genuinamente atraente na tela.

É divertido ver Fanning caminhar na linha entre aquela saudável e cativante jovem e a outra; como se ela não quisesse perder um episodio de Riverdale, mas adoraria trabalhar com o diretor Yorgos Lanthimos, cujo bizarramente Dogtooth (Dente Canino) é um de seus filmes favoritos. Mesmo Malévola — que é o único grande lançamento de Fanning em Hollywood até hoje — teve uma reviravolta, subvertendo o ‘beijo de amor verdadeiro’ do conto de fadas, para contar a história de amor entre mãe e filha e uma mulher em apuros (Angelina Jolie) travando guerra contra seus agressores. “Isso saiu antes de tudo que está sendo falado agora”, Fanning observa o movimento Time Up. “Foi estranhamente antes do tempo.” Ela continua: “A marcha das mulheres, e a conversa sobre feminismo e tudo que está acontecendo, é muito poderoso, especialmente na indústria agora. E também é muito especial ser uma jovem mulher e ter exemplos de mulheres mais velhas que estão em Hollywood, ou neste mundo,  que agora posso admirar.

Nós discutimos política, e ser uma pessoa jovem ao olho público, e a responsabilidade que vem com isso, que frequentemente tomam posições em problemas, e parece claro que Fanning ainda está achando sua voz. “Você pode perceber quando alguém é apaixonado por algo, e quando não é,” ela diz. “Se você quer falar sobre algo, você precisa fazer sua pesquisa e acreditar no que está dizendo. Não diga apenas por causa das massas.” Ela fala sobre os recentes tiroteios em Parkland, Flórida: “Com aqueles estudantes, eu não consigo nem imaginar pelo que eles estão passando.  Se eu ainda estivesse estudando, eu estaria aterrorizada. Ninguém merece estar com medo em sua própria sala de aula. Mas é ótimo ver vozes jovens finalmente serem ouvidas.” Ela admira atrizes como Rowan Blanchard por ser franca: “Ela é uma garota jovem muito legal. Ela tem basicamente a minha idade, mas tem uma alma antiga. Eu acho que é importante ter exemplos de mulheres jovens e fortes para se admirar na indústria de entretenimento.”

Um assunto, ela, como grande parte de Hollywood, está publicamente negociando com Woody Allen, cujo próximo filme, A Rainy Day in New York (Um Dia Chuvoso em Nova Iorque, em tradução literal), filmou ano passado. Quando pergunto sobre Allen, à luz de alegações de abuso que recentemente ressurgiram, Fanning responde hesitante, dizendo que ela e sua co-star, Selena Gomez, tem falado sobre isso, e que ela não tinha intenção de machucar ninguém ao fazer o filme, e que ela – junto com a sua irmã, Dakota – fizeram uma doação financeira para uma instituição de caridade.

Em um outro projeto, menos controverso, o drama histórico Mary Shelley, da diretora saudita, Haifaa Al Mansour, Fanning protagoniza como a novelista que escreve Frankenstein, representando seus anos como uma jovem mulher, determinando sua própria voz. É um lindo paralelo. “Eu vivo com a minha mãe e a minha vó, e eu tenho uma irmã, e a mãe da minha irmã tem uma filha. São gerações de mulheres que são muito ferozes e não têm medo de falar o que pensam. Eu cresci em uma casa onde, se você quer que sua voz seja ouvida, você tem que falar alto. E eu sinto que eu sou uma mulher forte por causa disso,” Fanning diz. “Claro, eu ainda estou me encontrando. Mas estou quase lá.”

BASTIDORES

 

 

Fonte: Net-A-Porter

Tradução e adaptação: Luna Oliveira, equipe EFBR.

Na tarde de hoje, 04, Elle Fanning foi fotografada por paparazzis enquanto realizava um novo photoshoot, até então desconhecido,  em Tribeca, New York. Confira todas as fotos clicando nas miniaturas abaixo:

efbr_28229.jpgefbr_28329~0.jpgefbr_28829~1.jpgefbr_282629~1.jpg

Na noite de ontem, 03, Elle Fanning compareceu ao evento de lançamento das novas campanhas da Tiffany & Co, Paper Flowers e Believe In Dreams. Elle, que é estrela das campanhas, esbanjou beleza no evento usando um vestido do designer italiano de alta-costura, Giambattista Valli. Nomes como Naomi Campbell, Doutzen Kroes, Greta Gerwig, Zendaya e mais também compareceram ao evento para prestigiar a marca. Confira as fotos de Elle no evento e os vídeos promocionais das novas campanhas abaixo:

03.04 CHEGANDO NO EVENTO
03.04 NO EVENTO DE LANÇAMENTO DA NOVA CAMPANHA DA TIFFANY & CO EM NOVA IORQUE
 
SENDO ENTREVISTADA NO RED CARPET

VÍDEO PROMOCIONAL DA CAMPANHA DE PRIMAVERA DA TIFFANY & CO, BELIEVE IN DREAMS

VÍDEO PROMOCIONAL DA CAMPANHA DE PRIMAVERA DA TIFFANY & CO, PAPER FLOWERS

VÍDEO PROMOCIONAL DA CAMPANHA DE PRIMAVERA DA TIFFANY & CO, TIFFANY HARDWEAR

VÍDEO PROMOCIONAL DA CAMPANHA DE PRIMAVERA DA TIFFANY & CO, TIFFANY KEYS

VÍDEO PROMOCIONAL DA CAMPANHA DE PRIMAVERA DA TIFFANY & CO, TIFFANY T