Pela primeira vez, Elle Fanning estampa a capa da nova edição do mês de abril da Glamour que tem o intuito de homenagear as mulheres no Dia Internacional da Mulher. Com ela, também temos nomes como Camila Cabello e Aja Naomi King. Na revista, a atriz fala sobre questões de beleza. Para o photoshoot, a estrela foi estilizada por Simon Robins e fotografada por Olivia Malone. Confira as scans, fotos da edição, vídeo dos bastidores e a tradução da matéria abaixo:

Quando você olha para a capa da Glamour, não há questão de que as três mulheres fotografadas lá —Elle Fanning, Camila Cabello, e Aja Naomi King— são lindas. Quer dizer, olhe só para elas. Mas, como o resto de nós, elas nem sempre se sentiram confiantes em sua própria pele: Elle, quem está nos holofotes de Hollywood desde os três anos de idade (sim, três), admitiu se sentir pressionada em ter que se conformar aos antigos ideais de beleza, alisando seus cabelos naturalmente cacheados para o seu primeiro dia de aula em uma escola pública.

Não está na hora de reescrevemos essa conversa? Em homenagem ao Dia Internacional da Mulher, eu conversei com essas três notáveis mulheres sobre como nossa definições de beleza estão finalmente mudando. Como disse Camila: “Quando você olha para capa comigo, Aja e Elle, você vê diferentes formas de corpo, diferentes tons de pele, diferentes origens. Isso mostra que a beleza se parece com todos, sabe?” Sim, nós sabemos.

Quarenta e cinco. Essa é a quantidade de filmes que a Elle Fanning, aos 20 anos, tem em seu currículo. Eu não estava convencida que fosse possível até que eu mesma os contei. Você pode literalmente ver ela crescer em uma tela, sob os holofotes de Hollywood: aos três anos, atuando como a versão mais nova da sua irmã, Dakota em I Am Sam (no título brasileiro, Uma Lição de Amor). Como uma jovem sonhadora no filme de Sofia Coppola “Somewhere (Um Lugar Qualquer)”. E começando 2018 com o crítico favorito, I Think We’re Alone Now, uma história de amor pós-apocalíptica dirigido por Reed Morano.

Ainda assim, Fanning diz que ela nunca se sentiu examinada por sua aparência pela indústria, que tem sido bem aceita por suas brincadeiras com seus looks de maquiagem (apenas parte do contrato quando a L’Oréal Paris assinou como o novo rosto da marca ano passado) e senso de moda peculiar (calças franzidas Rodarte são meio que uma coisa dela) Era seus -contemporâneos —crianças na escola— que a faziam sentir que deveria se conformar com uma determinada forma. Então o que ela quer dizer para o mundo sobre beleza e se sentir bem em sua própria pele? Ouça em suas palavras…

GLAMOUR: Essa é a sua primeira capa da Glamour. Você vai compartilhar o que significa ser protagonista na questão da beleza?

EF: Bom, a beleza não é só como você se parece por fora. Eu certamente experienciei não se sentir super confiante. Eu estudei em casa até a terceira série. Na quarta série eu fui para uma escola normal, e foi a primeira vez em que estive em uma sala de aula com crianças da mesma idade que eu, então eu estava um pouco nervosa. Meu cabelo na verdade é muito cacheado, então eu o alisei, e usei lentes de contato— meus olhos são terríveis—e esse garoto veio em minha direção no recreio e disse, “Você é tão linda. Eu vou me casar com você!” Tanto faz. Então no dia seguinte eu lavei o meu cabelo, então estava cacheado, e usei os meus óculos. E ele me falou, “Eu não vou mais me casar com você.” Eu estava tipo, O que? Tudo por causa de aparência física? É de partir o coração.

GLAMOUR: Então até mesmo um garoto de 9 anos foi programado para pensar que cabelo liso era bonito. Traumatizante.

EF: Pense em O Diário da Princesa, qual eu amo, onde ela tinha óculos e cabelos bem cacheados, e então você os remove e: Wow! Ela é tão atraente.

GLAMOUR: Então, como todos nós nos movemos para além dos antigos ideais de beleza?

EF: Eu acho que isso começa com o que as pessoas colocam por aí. O aerógrafo não é atraente. As imperfeições que são lindas. Eu gosto de publicar coisas engraçadas, coisas não tão sérias.

GLAMOUR: Você falou sobre crescer com várias mulheres— irmã, mãe, avó. Havia um vínculo em torno da beleza?

EF: A minha mãe é muito natural. Mas a minha avó não sai de casa sem o rosto cheio. Ela é loira e tem os olhos azuis e se parece comigo. E ela sempre preenche os lábios combinando uma sombra em um tom pêssego.  Ela realmente ficou muito animada quando eu assinei contrato com a L’Oréal, pirando, na verdade. Eles enviaram para ela uma maleta cheias de batons, o que foi muito legal.

GLAMOUR: Estando em Hollywood tão nova, você se sentiu pressionada com a sua aparência de alguma forma?

EF: Principalmente na escola. De um jeito estranho eu senti que o red carpet ou o mundo cinematográfico era um lugar de escape e para vestir as minhas roupas engraçadas— calças franzidas Rodarte ao invés de jeans skinny e os vestidos enfaixados que garotas vestem em bar mitzvá. No trabalho, havia pessoas mais velhas que ficavam tipo, “Ei, isso é legal!”

GLAMOUR: Você alguma vez se sentiu sexualizada em uma idade muito nova?

EF: Não, eu sempre tive pessoas boas ao meu redor, se certificando de que isso não iria acontecer. Algumas vezes eles eram muito protetores. Mas eu tive o meu primeiro beijo na tela, para o filme Ginger & Rosa. Eu tinha 13 anos e estava tentando esconder que era o meu primeiro beijo. Mas o diretor sabia. Então eles puxaram uma gigante pasta de meninos para o casting e eu tive que escolher um. Foi uma cena, o nome dele era Max. E eu o escolhi.

GLAMOUR: É um momento poderoso para as mulheres em Hollywood, com conversas abertas em torno do sexismo e desigualdade. Você pode falar sobre a experiência com diretoras femininas?—Sofia Coppola quando você tinha 12 anos em Somewhere (Um Lugar Qualquer), e Reed Morano ano passado?

EF: Reed é uma das minhas pessoas favoritas no mundo. Eu me senti tão segura tendo ela atrás das lentes. Como mulher, há apenas uma camaradagem, uma compreensão mútua. E filmar com Sofia quando eu era mais nova—foi muito especial ver um grande filme sendo dirigido por uma mulher, para ver o que é possível, o respeito. Eu amaria dirigir um filme um dia também. Mulheres tem tantas histórias para contar. Por que não fomos permitidas por tanto tempo? Estamos apenas começando.

GLAMOUR: Você conheceu Valerie Weisler— a fundadora da organização antibullying de 19 anos. O projeto Validation—Na L’Oréal, o evento Women of Worth. A mensagem dela chegou até a sua casa?

EF: Em sua própria experiência em sofrer bullying, ela passou a ajudar outros adolescentes. Ela é da minha idade—e é tão inspirador que ela tenha encontrado algo que esteja tão investida. Ela me ajudou a me reavaliar, em o que eu posso retribuir. Isso é empoderador.

PHOTOSHOOT:

                                                                                                                  

SCANS: 

                                         

BASTIDORES:
 

 

Fonte: Glamour

Tradução e adaptação: Luna Oliveira, equipe EFBR.

Elle pode estrelar a adaptação do livro para jovens adultos ‘Beware That Girl‘, interpretando Kate. Saiba mais sobre o projeto abaixo:

Elle Fanning está negociando estrelar o papel principal da adaptação de ‘Beware That Girl’ da Awesomeness Films, baseado no livro de Teresa Toten. Brian Robbins, Matt Kaplan, Brian Duffield e Nicki Cortese serão produtores.

Indo no caminho de ‘Gone Girl’ e ‘The Girl on the Train’ o thriller psicológico se passa em uma escola particular na elite de Manhattan onde duas amigas fingem amizade, usam e manipulam uma à outra em um jogo de gato e rato. Kate é uma estudante bolsista, sobrevive fazendo amizade com alunos ricos e mentindo. Olivia é a “it girl” do Upper East Side com um passado misterioso e sombrio. Quando um novo membro, charmoso e bonito, do conselho docente entra para a escola, as meninas são obrigadas a revelarem seus segredos.

Outros trabalhos de Totes incluem a série Blondes, The Game e The Unlikely Hero Of Room 13B, no qual entrou para a lista da Kirkus de um dos melhores livros adolescentes de 2015.

Fanning será vista em 20th Century Women que pode entrar na lista do Oscar por ser lançado no feriado, e em Live By Night de Ben Affleck. A jovem atriz tem vários projetos futuros, incluindo I Think We’re Alone Now de Reed Morano, ao lado de Peter Dinklage, The Beguiled de Sofia Copppla, e How To Talk To Girls At Parties de John Cameron Mitchell. Ela é representada pela WME e Echo Lake Entertainment.

Tradução e adaptação por Elisa – Equipe Elle Fanning Brasil

Via

O Hollywood Reporter lançou a edição 2016 do ‘Beauty Issue’ contendo os melhores momentos da moda durante o ano e Elle e sua estilista Erin Ayanian Monroe estão na edição.

Abaixo você confere o artigo sobre Elle, as fotos e vídeos:

8.  Os olhos avant-garde de Elle Fanning

PORQUE IMPORTA Aos 18 anos, a irmã Fanning mais nova está evoluindo sua imagem de ingenue para uma imagem de uma sofisticada ‘risk-taker’ de escolhas edgy, mais notavelmente além de sombra escura. Embora outras estrelas da moda, de Kristen Stewart à Solange Knowles, tenham experimentado os mesmos olhos este ano, ninguém ficou melhor do que Fanning.

Os casos em questão são: os seus olhos corados estilo Bowie preto e prata da Make Up for Ever com Saint Laurent no show Palladium da marca, em 10 de fevereiro, e seu compacto rosa da Make Up for Ever para complementar um vestido de lantejoulas Dolce & Gabbana na premiere de Los Angeles de Neon Demon dia 14 de junho. A maquiadora Erin Ayanian Monroe, que também trabalha com Dakota, acredita que Fanning é um “espírito livre e aventureiro” por permitir que ela experimente estilos “inesperados”. Fanning fala sobre a abordagem da dupla: “Nós topamos o risco – é divertido, e [a maquiagem] é só por um tempo.”

 

Elle0131P2016THR.jpgElle0207H2016THR.jpgElle0131P2016THR.jpgElle0207H2016THR.jpg
PHOTOSHOOTS > 2016 > THR’S 2016 BEAUTY ISSUE
15034488_1844929475740902_22279077696110592_n.jpg15043796_1187651084633749_7513019263909625856_n.jpg15034488_1844929475740902_22279077696110592_n.jpg15043796_1187651084633749_7513019263909625856_n.jpg
OUTROS > THR’S 2016 BEAUTY ISSUE – BASTIDORES

Elle Fanning e Ben Foster estrelarão Galveston, adaptação do romance do criador de True Detective, Nic Pizzolatto, de 2010. Melanie Laurent dirigirá o filme policial com roteiro de Pizzolatto.

Galveston segue dois forasteiros em fuga. Sobrevivendo a uma tentativa de assassinato de seu chefe, o cobrador de dívidas Roy “Big Country” Cady (Foster) foge para a cidade do Texas para se disfarçar, mas ao resgatar Raquel “Rocky” Arceneaux (Fanning), uma jovem prostituta vulnerável, do tiroteio, qualquer esperança de um refúgio seguro desaparece. Rocky é uma garota com segredos, incluindo um que irá assombrar Roy em uma poderosa história de sacrifício e redenção.

Tyler Davidson da Low Spark Films será o produtor. Jean Doumanian, Patrick Daly, Kevin Flanigan e Sean O’Brien serão produtores executivos. A produção começará em janeiro.

Embankment tem os direitos internacionais no AFM.

Fanning, que será vista em 20th Century Women de Mike Mills, adiciona o projeto à uma crescente lista de projetos: Live by Night de Ben Affleck, Sidney Hall de Shawn Christensen, o musical How to Talk to Girls at Parties de John Cameron Mitchell, a biografia sobre Mary Shelley A Storm in the Stars de Haifaa Al-Mansour, Western The Beguiled de Sofia Coppola, All the Bright Places de Miguel Arteta e I Think We’re Alone Now de Reed Morano. Ela é representada pela WME and Echo Lake Entertainment.

Tradução e adaptação por Elisa – Equipe Elle Fanning Brasil

Via

Elle foi escolhida ao lado de Jaden Smith e Ansel Elgort para estar em uma das capas da edição Power of Youth da Variety Magazine! Confiram as fotos e uma pequena entrevista:

Elle Fanning começou no negócio – e conseguiu seu cartão do SAG – antes de completar 3 anos de idade, quando Jessie Nelson, diretora de ‘Uma Lição de Amor’, estrelando Dakota Fanning com 7 anos de idade e Sean Penn, precisava de alguém para interpretar a irmã de Dakota em um flashback. Recrutar Elle para aquele papel foi uma decisão fácil. Quinze anos depois, ela emergiu como uma das mais atrizes mais animadoras e consistente persuasivas de sua geração, estrelando dramas indies (‘Um Lugar Qualquer’, ‘Ginger&Rosa’), blockbusters (‘Malévola’) … e o que ‘The Neon Demon’ tenha sido.

Fanning, agora com 18 anos de idade, ela está respondendo as criticas do filme com graça. “Alguns filmes maravilhosos foram muito criticados [em Cannes]”, ela nota. “Mas eu, definitivamente, prefiro ter uma resposta dividida como amo/ódio do que ter uma audiência dizendo, ‘Oh, o filme foi legal.'”

Para Fanning, a noite no tapete vermelho em Cannes foi especial, não só por causa da premiere. Também foi seu baile do colegial. Ela escolheu comparecer a premiere em Cannes pela primeira vez, mas “meu melhor amigo que iria comigo no baile, acabou indo para Cannes e nós tivemos nosso baile lá.”

Fanning sempre teve uma vida fora dos holofotes para mantê-la no chão. “Meus melhores amigos não estão no ramo de forma alguma,” ela nota. “Eu ainda moro com a minha família.”

Agora uma graduada do colegial, Fanning está considerando a faculdade, mas não neste ano. Não seria justo, pois ela tem alguns filmes para promover, de ’20th Century Women’ com Annette Bening à ‘A Storn in the Stars’, no qual ela interpreta a autora de “Frankstein”, Mary Shelley. Ela também espera que “About Ray”, o qual teve sua estréia no Toronto Film Festival em 2015, chegue aos cinemas este ano. Para pesquisar para o papel de uma adolescente em transição para o sexo masculino, Fanning acabou se envolvendo na comunidade transexual. “Eu falei com muitos rapazes transexuais, e ouvir suas histórias foi algo muito poderoso,” ela diz. “Eles tiveram tanta coragem de apenas dizer sua história e responder perguntas muito difíceis.”

E ainda há “Live by Night”, dirigido e estrelado por Ben Affleck, no qual ela interpreta uma viciada em heroína, o qual ela diz ser seu papel mais difícil até agora.
Assistir Affleck trabalhar foi inspirador, diz Fanning, que gostaria de dirigir algum dia. “Eu gosto da ideia de formar algo que é todo seu,” ela diz.

Tradução e Adaptação: Isabella – Equipe Elle Fanning Brasil

FONTE

01 02 01 02
PHOTOSHOOTS > 2016 > VARIETY MAGAZINE

elle-poyh-variety-cover elle-poyh-variety-cover elle-poyh-variety-cover elle-poyh-variety-cover
SCANS > 2016 > VARIETY MAGAZINE – POWER OF YOUTH

Foi noticiado há alguns dias que 20th Century Women, novo filme de Elle, irá ter sua estréia no New York Film Festival deste ano! Confiram mais informações:

“20th Century Women,” o novo filme de Mike Mills (“Toda Forma de Amor”), estrelando Annette Benign, se posicionou para uma corrida na temporada de premiações com uma estréia mundial como a exibição de destaque do 2016 New York Film Festival.

Benign, Greta Gerwig, Elle Fanning, Billy Crudup e o novato Lucas Jade Zumann, estrelam em uma estória sobre uma mulher (Bening), criando seu filho adolescente (Zumann) em uma casa compartilhada em Santa Barbara nos anos 1970. O filme foi escrito e dirigido por Mills, o qual seu último filme, “Toda Forma de Amor”, concedeu à seu ator principal, Christopher Plummer, um Academy Award em 2012.

No começo deste ano, a A24 adquiriu ’20th Century Women’ para um lançamento em Dezembro. A exibição de gala no NYFF, um festival fortemente curado apresentado pela Film Society of Lincoln Center, dá ao filme um começo de grande atenção em atrair buzz para a temporada de premiações. Megan Ellison da Annapurna Films, Anne Carey da Archer Grey e Youree Henley produzem.

“20th Century Women” irá ter sua exibição de gala no dia 08 de Outubro. O 54th Annual New York Film Festival acontece de 30 de Setembro à 16 de Outubro.

Tradução e Adaptação: Isabella – Equipe Elle Fanning Brasil

FONTE

Junto com o anúncio, uma foto de um photoshoot promocional do filme foi lançado, confiram:

01 01 01 01
FILMES > 20TH CENTURY WOMAN > PHOTOSHOOT PROMOCIONAL