Elle Fanning Brasil mobile version
September 25, 2015
Gabi Barros   1 Comment 3 Generations, Artigo

Elle estampou a capa da revista i-D e junto com a sessão de fotos, a revista publicou uma extensa entrevista com a atriz na qual ela fala sobre sua vida e sobre seu novo filme, “About Ray”. Confira a tradução na íntegra da entrevista logo abaixo.

Elle Fanning acabou de acordar. Um mundo longe da brilhante Hollywood do qual você geralmente a imagina, quando chamamos a jovem de 17 anos, ela está passeando pelo seu quintal em LA vestindo seus pijamas. Sua irmã, Dakota, está voltando pra casa da faculdade em Nova York essa noite, então Elle e seus pais estão preparando tudo para a chegada dela, fazendo com que o quarto dela deixe de ser um quarto da bagunça e volte a ser da Dakota. De acordo com o IMDb, Elle tem dez projetos diferentes para filmar no momento. Nós perguntamos como ela está lidando com tudo isso e ela ri de um jeito que só nos indica que ela sabe o quão incrível é sua vida. “Tem muita coisa”, ela confirma. “Eu acho que vai ser um ano cheio.” Miraculosamente, ela não está filmando nada neste verão, então ela tem aproveitado férias mais tradicionais pela primeira vez. “Estou vendo meus amigos o tempo todo, indo à praia e saindo. E, você sabe, tendo sessões de fotos”, ela ri; é contagioso. Uma dessas sessões de fotos é a sua primeira aparição da i-D, algo que a afastou do seu estilo Rodarte e girly e a levou a um look mais adulto. “Eu acho que esse é meu photoshoot preferido”, ela afirma. “Foi muito, muito legal. Foi emocionante fazer algo corajoso e ir de cabeça”. E é possível afirmar que o sentimento é mútuo – o diretor de moda da i-D, Alastair McKimm, que produziu a sessão de fotos, comentou: “Elle é incrível. Nós a conhecemos como uma atriz extraordinariamente talentosa, mas vê-la ajudando Collier nas fotos foi realmente impressionante. Ela é uma garota muito, muito legal. E sabe piscar muito bem.”

Falando em interpretar papéis mais corajosos, esse outono verá Elle deixar de ser uma garotinha em situações estranhas (Babel, aos 8; O Curioso Caso de Benjamin Button, aos 10; Somewhere, aos 12; Super8, aos 13 e assim por diante) para interpretar o papel principal em “About Ray”, dirigido por Gaby Dellal. A história é acerca de uma adolescente de Nova York que está no processo de mudança de gênero (mulher para homem), de Ramona para Ray, documentando os altos e baixos que acompanham uma mudança tão radical. Nós nos perguntamos qual foi a experiência principal da Elle para poder filmar. “Eu tenho amigos transgêneros na escola”, ela explica, “nós temos um clube LGBT e uma aliança entre gays e héteros. Minha escola é muito receptiva, mas eu sei que existem muitos lugares que não são.” Elle frequenta a escola privada Campbell Hall desde os seus nove anos e está prestes a começar seu último ano, sobre o qual ela está super animada. “Quando o filme veio, eu sabia que seria a coisa mais desafiadora do mundo, mas eu queria fazê-lo, para os meus amigos e.. para educar as pessoas.”

Tal tópico não poderia ter vindo num momento mais relevante. Trabalhando ao lado de Naomi Watts (mãe de Ray) e Susan Sarandon (avó de Ray), Elle quebra o chão e pega um papel que poucos atores, muito menos adolescentes, tiveram a oportunidade de interpretar. Mas, a inevitável nuvem negra aconteceu. Dellal disse suas razões sobre porque escolheu uma jovem veterana ao invés de um ator transgênero, e em parte por causa do mundando, porém real fato de que o financiamento geralmente depende dos nomes ligados ao projeto, ela também apontou que Ray está nos estágios iniciais de mudança, ainda num corpo feminino e ainda a procura de uma oportunidade de começar um tratamento com hormônios. Além disso, qual o melhor jeito de chamar a atenção de uma geração se não contando essa importante história com um ator com os quais eles cresceram? “Eu só queria ser capaz de fazer jus ao personagem”, diz Elle. “Existem tantos jovens por aí que são como o Ray, que estão sofrendo como ele está”. Na preparação para o papel, Elle teve vários encontros com adolescentes trangêneros e ficou surpresa o quão receptivos eles foram com ela. “Eles eram tão corajosos e valentes. Eu não acho que seria capaz de contar minha história a um estranho através de um computador, sabe? Eles aceitaram bem cada pergunta, eu perguntei e realmente me ajudou a entender”.
Ela também passou bastante tempo assistindo canais de jovens transgêneros no YouTube; assistindo, ouvindo e aprendendo com a comunidade online enquanto eles postam suas experiências individuais ao tomar hormônios e explicando suas batalhas diárias.

Enquanto que Elle é uma garota confessa, Ray é um jovem grunge e skatista criado em Nova York e interpretar tal papel pediu por aulas. “Eu nunca tinha feito isso antes e eu me senti uma garota tão legal!” ela afirma, radiante. “Eu definitivamente quero voltar ao lugar onde eu aprendi e visitar o pessoal lá. Eles também ensinaram os atores de Lords of Dogtown e eles foram super legais”. Mas andar de skate foi a parte fácil.. Elle teve que entrar na mente de Ray. “Obviamente foi muito mais do que ser apenas um cara. Haviam tantas complexidades, incluindo Ray querendo ser notada simplesmente como um garoto. É isso o que ele quer mais do que qualquer outra coisa”. Ela explica que o papel realmente a fez sentir como uma pessoa diferente e lembra de achar difícil voltar a andar do seu próprio jeito quando eles paravam de gravar. Enquanto ela andava por Nova York durante as gravações, ela se pegou sendo simplesmente mais como o Ray. Mantendo o figurino durante as pausas para o almoço, ela conta uma situação que realmente a tocou: “Eu estava olhando o cardápio e o garçom estava tipo ‘o que você deseja comer, senhor?’ e eu gritei porque eu estava tão animada. Eu provei como Ray se sentiria se ele fosse reconhecido como um garoto”. Ela já vivenciou alguma atenção negativa? “Outra vez, tarde da noite, nós fomos ao Starbucks e lá estavam dois caras grandes do lado de fora e eles não disseram nada, mas continuavam me olhando de uma forma estranha. Ninguém nunca me olhou daquele jeito antes, então eu fiquei muito curiosa. Você tem que se perguntar se eles estavam pensando ‘por que você está assim?’” Ou talvez eles só estivessem se perguntando porque Elle Fanning estava vestida como um menino. De qualquer forma, sua sensibilidade é notável e apreciada.

“Para mim, ser transgênero não é nada demais. Enfim – seja quem você quiser. Eu sempre me senti assim, mas esse papel veio e agora eu o sinto num nível pessoal. Nós realmente só precisamos aceitar todo mundo”. Nós estamos vivendo tempos incrivelmente animadores para mudança, com indivíduos transgêneros dominando orgulhosamente as mídias, as passarelas, TV, música e filme. Os problemas trangêneros estão na mira do público e isso pode ser uma coisa boa. Elle tem uma admiração particular por Jazz Jennings, uma garota ativista e transgênero de 14 anos, estrela de TV e modelo a ser seguido, com quem ela apresentou um prêmio ano passado e descreve como sendo alguém “tão, tão legal”. Caitlyn Jenner, também: “Eu estava tão animada com a capa dela na Vanity Fair”, ela afirma. “E o feedback que ela está tendo online é incrível. Foi muito corajoso da parte dela se assumir aos 60 anos e ser ela mesma só mostra que nunca é tarde demais”. Elle acredita que isso é o começo de uma nova onda de aceitação e, quem sabe, de um novo jeito de ser. “Eu acho que meus filhos e as pessoas no futuro vão olhar para trás e lembrar de pessoas como Caitlyn Jenner, Jazz Jennings e Laverne Cox que foram as primeiras a realmente trazer isso à tona desta forma”.

Elle é uma das poucas atrizes jovem que não documentam sua vida privada na internet. É impressionante e parece que ela está fazendo o truque enquanto ela tem – uma vida relativamente privada. Claro, nós a vimos na barra da vergonha do Daily Mail – fotografada passeando por LA, com a legenda “Elle Fanning adiciona um glamour ao seu rosto fresco com uma bolsa de marca na ida ao salão de beleza”, “Tão anos 70! Livre de maquiagem, Elle se mantém bonita num vestido jeans” e o nosso favorito, “Ela é como nós! Ela teve um desejo enquanto vai para o Taco Bell com sua mãe” – além das asneiras reunidas a partir do nada, porque ela não dá à mídia uma mão amiga com suas histórias escandalosas. Elle manteve sua privacidade. Ela nunca teve conta no Facebook e por enquanto ela tem uma conta privada no instagram para seus amigos e familiares, ela acha estranho existirem centenas de contas falsas com milhares de fãs. Seus amigos estão tentando convencê-la de tornar o instagram público (pense nos seguidores!), mas ela não acha a ideia atrativa. “Vou perder um pedaço de mim se eu tocar aquele botão e torná-lo público? Quem sabe?” ela afirma, rindo. “Mas isso soa como um trabalho tão difícil. As pessoas têm sempre legendas espirituosas e ótimas fotos e as minhas não são assim de jeito nenhum. Ah, o prazer de ser legal..”

Elle Fanning tem o pé no chão. Sério. Parabéns aos pais dela por a terem educado tão bem. Apesar do estilo de vida nada convencional, ela não sente que está perdendo nada e parece real para os seus 17 anos. Como Annette Bening disse a ela uma vez,Eles são filmes. Sempre haverá outro filme, mas não haverá outro baile no ensino médio”. Isso não quer dizer que ela não aproveite as vantagens do seu trabalho. “Eu conheço muitos lugares, experimento várias coisas diferentes e conheço muitas pessoas. E desde cedo eu estive cercada por adultos no set, então eu sou uma pessoa super sociável”, ela afirma. “Eu falo com qualquer pessoa”. Com suas habilidades sociais impecáveis e seu recém descoberto talento para o skate, ela irá longe. Com certeza, no entanto, há algumas pistas do estilo de vida mágico de Hollywood? “Toda vez que me pedem para fazer um photoshoot ou ir ao tapete vermelho, eu fico tão animada como na primeira vez porque sinto como se fosse uma nova aventura. Mas, outras vezes, quando estou em casa, como hoje.. nada é muito brilhante hoje”. ela afirma, rindo.

Se um ano se passa e Elle não tiver feito um filme, ela começa a ficar impaciente. Ela anseia por um novo personagem no qual irá se concentrar e passar seu tempo livre sonhando acordada com ele. “Eu realmente espero ser uma atriz para sempre. Isso é o que eu realmente quero fazer, ela afirma. Especialmente fazer um filme com sua irmã no qual elas não interpretem irmãs uma da outra. “E eu adoraria dirigir um dia. Isso seria muito emocionante”. “Nós temos tantas razões! Nós seriamos como Cohen Brothers ou algo assim.. nós brigaríamos o tempo todo. Não sei se conseguíramos”. Talvez ela devesse espremer mais um projeto em algum lugar entre filmar com Greta Gerwig e The Neon Demon com Christina Hendricks, Jena Malone e Abbey Lee. Talvez ela também pudesse preencher seus sonhos usando suas habilidades na fotografia filmando seus amigos e documentar sua vida num filme como preparação para o seu show que ela terá “talvez um dia”. Elle tem grandes objetivos e nós não temos dúvidas de que ela irá alcança-los. Com uma estrela que nunca para de subir, parece que o sucesso dela já foi traçado e definido. Ela é a nova juventude: bem informada, educada com liberdade e igualdade, consciente do efeito da mídia e entusiasmada para passar seu conhecimento. Ela não é pega tentando ser legal e ela é legal exatamente por isso. Se ela pudesse dar um conselho a sua versão mais nova, qual seria? “As coisas vão ficar super animadas e intensas, mas segure-se durante o caminho porque você consegue.. e será divertido”.

Tradução: Gabriela Barros – Equipe Elle Fanning Brasil

One Response to “(ARTIGO) Entrevista para a revista i-D”

RT @efanningbrasil: Novo Post :: (ARTIGO) Entrevista para a revista i-D http://t.co/XVtYiMBb8C

September 25, 15 • 2:30 pm
Comment Form